sexta-feira, junho 03, 2011

Inhotim


De taxi eu fui até a rodoviária de BH e peguei um ônibus da Empresa Saritur (o único) com destino exclusivo para o Inhotim que fica em Brumadinho. Este ônibus sai às 9h e retorna para BH no fim da tarde, se faz necessário manter a atenção no horário por pena de perdê-lo na menor distração entre uma obra e outra. Conclui que o ideal é ficar em Brumadinho para desfrutar deste imenso parque de obras de arte a céu aberto com tranqüilidade.
Logo na entrada fiquei curiosa e encantada com 3 fusquinhas coloridos. Como eu uma ceramista graduanda em artes e em eterno conflito com as questões das artes contemporâneas digeriria tal visão?
O ano era 2009, me vi então, colocada diante da questão do caráter das representações artísticas e a própria definição de arte.
Nenhuma obra adquire valor sem o observador e a melhor definição de arte, obra e observador eu só teria um ano após esta visita num papo informal entre amigos onde alguém disse: “ é a arte que conta a história do seu tempo sem a preocupação de ser original e com mais liberdade de expressão, pois já não fazem mais parte da preocupação dos artistas representar questões religiosas ou políticas, e por isso mesmo, estas representações podem ser feitas sem compromissos que o limitem...”.

Havia um grupo sendo guiado, me aproximei para ouvir que a obra do artista Jarbas Lopes (Troca-Troca) “teria sido concebida em uma viagem feita pelo artista e alguns amigos do Rio a Curitiba em três fuscas, que andavam sempre próximos uns aos outros conectados por uma rede de som comum e suas cores originais eram amarelo, vermelho e azul, mas tiveram suas portas, capô e porta-malas trocados entre si tornando-se todos coloridos e na chegada, os carros fizeram parte da exposição que inaugurou o Museu de Arte Contemporânea de Curitiba”.

Daí em diante percorri, no mineiro quente domingo de novembro, entre obras e galerias sem mais me preocupar com teorias ou definições.

4 comentários:

  1. Que legal...bacana esta definições..
    hj um seguidor me escreveu o seguinte:
    Jorge Pimenta disse...
    querida amiga, é fácil deixar/apagar pegadas, mas difícil caminhar sem tocar no chão. só os deuses e o artistas concebem projectar a vida acima do chão da mortalidade. como tu, com esta obra que a invoca acima do próprio nome.
    Achei tão interessante..

    Peinha..pode postar onde quiser.é uma honra.
    Estava com saudades.
    bj
    Ma

    ResponderExcluir
  2. Lindo lindo lindo... As boas palavras acariciam a alma... Lindo.(Vou adicioná-lo...rsrs...)

    Maaa obrigada ;) então passa lá pra ver seu post e ver se gostou... deixei o link no seu blog;)
    Bejo
    Peinha

    ResponderExcluir
  3. Sabe Peinha, eu sempre fui muito arteira , mas sobre a história da arte eu não sou muito boa, mas tenho certeza que vou aprender muito com você.
    Muito bom esse post.
    bjs

    ResponderExcluir
  4. Puxa Paula me senti lisonjeada, mas eu é que tenho muito a aprender ou apreender.
    De qualquer forma a intenção é trocar impressões e eu fico verdadeiramente feliz quando alguém lê.
    Super Obrigada
    Peinha

    ResponderExcluir

O que você acha disso???